Realizada primeira reunião do segundo período – Câmara Municipal de Chã Grande

Hora: / ,

Realizada primeira reunião do segundo período

Publicado em 08 de abril de 2013, por Paulo Sérgio

Aconteceu na noite desta quarta-feira (03) a primeira reunião do segundo período da Câmara Municipal de Vereadores, Casa Paulo Viana de Queiroz.

Participaram da reunião os vereadores Inaldo do Raio-X, Dandão, Gilvan Bolão, Danielle Alves, Jorge Luíz, Ninho Moto-Táxi, Zé Pedreiro, Sandro Corrêa, Gilvan Pontaleão e Sérgio do Sindicato. O vereador Zé Maria este apenas na leitura do expediente da noite, em seguida retirou-se.
Foram expostos 02 requerimentos de autoria do vereador Jorge Luíz. O primeiro, de número 12/2013 propõe a construção de uma creche pública no prédio do antigo Matadouro de Chã Grande, que fica localizado no bairro de mesmo nome e que foi desativado por ordem judicial por não atender a requisitos básicos de funcionamento, como por exemplo estar localizado dentro de uma área urbana.
Desde o fechamento do antigo matadouro, ocorrido no ano de 2012, os bois do município passaram a ser matados no município de Amarají, que a poucos meses também foi fechado, levando assim os animais para o município de Gravatá. Com a preocupação do gasto dos marchantes com o transporte da carne, o vereador Jorge Luíz apresentou o requerimento de número 13/2013, que pede a construção de um abatedouro público no município, que atenda a todos os requisitos básicos.
A mesa diretora, composta por Sandro Corrêa, Gilvan Pontaleão e Sérgio do Sindicato, apresentou a proposta da criação da Tribuna Popular, que deverá ser votado em única votação na próxima reunião. O projeto prevê que eleitores chã grandenses, no máximo dois por reunião e que estejam inscritos na secretaria da casa, possam trazer à público, para discussão problemas e soluções para as comunidades, ou outros assuntos de interesse geral.
Foi apresentado também o ofício do poder executivo municipal, que vem com o objetivo de vetar totalmente o projeto  002/2013, com relação ao adicional de insalubridade dos Agentes Comunitários de Saúde, aprovado por unanimidade pela câmara em reuniões passadas.
O ofício provocou muitas discussões, tanto entre os vereadores da situação e oposição, como também os profissionais da área, que lotaram as cadeiras da casa. Os vereadores Sandro Corrêa e Gilvan Pontaleão prometeram que não irão votar no fundo de desenvolvimento enquanto o poder executivo não enviar à câmara o reajuste salarial dos ACS.

ACESSO RÁPIDO